Síndrome do Impostor em recém-formados: como combater?

COMPARTILHAR
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Você já ouviu falar em Síndrome do Impostor? Pois, imagine a seguinte situação: você acaba de se formar e chega a hora de entrar no mercado de trabalho. Bate aquela baita insegurança, não é mesmo? 

Essas reações são normais, no entanto, já que você vai lidar com algo desconhecido. Quando isso se torna algo maior, porém, dificultando mostrar seu talento e se destacar, por exemplo, estamos falando da Síndrome do Impostor.

Vamos conversar sobre ela? Continue a leitura!

O que é síndrome do impostor?

Esse conceito foi criado em 1978, nos Estados Unidos, pelas psicólogas Pauline Rose Clance e Suzanne Imes, e a ideia é que o sujeito não enxerga suas conquistas como fruto do próprio mérito.

Assim, vê que não vai dar conta de assumir, por exemplo, o cargo pelo qual foi escolhido e que, cedo ou tarde, os colegas vão descobrir que ele é uma fraude.

Apesar do nome, a síndrome do impostor não é uma doença. Aliás, o termo adequado é “fenômeno do impostor”. Ele indica que a pessoa não considera as potencialidades que tem para assumir uma vaga de emprego ou aceitar novos desafios. Pode ocorrer, portanto, com qualquer profissional, desde os recém-formados até os mais experientes.

Como surge a Síndrome do Impostor?

A Síndrome do Impostor dá as caras quando o profissional começa a sentir uma insegurança exagerada em relação ao seu desempenho no trabalho. Com isso, por medo de que os outros percebam que ele é uma fraude, acaba deixando passar boas oportunidades, o que se torna uma barreira para conseguir se destacar no mercado de trabalho.

Ela pode ter várias causas, como, por exemplo, um episódio em que o profissional cometeu algum erro, seja na apresentação do trabalho em grupo da faculdade, seja no estágio.

Para muita gente, acaba sendo resultado de baixa autoestima. E, por mais que a pessoa tenha feito uma boa graduação e estudado bastante, não consegue se sentir confiante para dar um passo à frente na carreira.

Como saber se estou sofrendo desse mal?

Ninguém vai perceber da noite para o dia que está sofrendo da Síndrome do Impostor. Você pode notar esse comportamento na rotina. Por isso, veja a seguir o que pode indicar que alguém sofre com a síndrome do impostor.

Procrastinação

Muita gente que não acredita em suas potencialidades acaba deixando para depois o que daria para ser feito com calma e com mais tempo. Em outras palavras: o profissional acaba procrastinando.

Assim, caso alguém venha dizer que a tarefa tem erros, pode alegar que não é bom em trabalhar com um prazo muito curto, ou que apareceram outras demandas mais urgentes.

A imagem contém uma moça com a cabeça deitada sobre os braços em sua área de trabalho. Em seus olhos fechados estão grudados adesivos de olhos abertos, indicando Síndrome do Impostor.
A procrastinação frequente pode ser um sintoma de Síndrome do Impostor.

Tarefas inacabadas

Muitos profissionais adotam a postura de deixar atividades e projetos sem terminar para que a equipe não descubra que ele realiza um trabalho ruim. Desse modo, colocam barreiras para justificar as tarefas inacabadas.

Trabalho além da conta

Por outro lado, há muitos profissionais recém-formados que, por pura insegurança de apresentar um trabalho de má qualidade, viram workaholics. Assim, ficam na empresa mais horas do que o expediente, aceitam fazer todas as horas extras e são perfeccionistas.

Tudo isso para driblar a imagem que têm de si mesmos de que são uma fraude. Só que essa compensação vai trazer ansiedade e estresse, prejudicando a saúde mental e a qualidade de vida.

Como combater?

Não dá para manter essa situação, certo? Afinal, você se dedicou tanto aos estudos, se formou e agora tem uma carreira de sucesso pela frente. Então, o que fazer para enxergar suas habilidades e talentos? Confira algumas dicas que vão ajudar a lidar com o problema.

Coloque seus sentimentos para fora

Desabafe sobre essa angústia com amigos e familiares mais próximos. Coloque em palavras o que está sentindo para que eles possam transmitir conforto e a ideia que têm sobre você. Com isso, você tem uma visão externa com relação às suas capacidades e potencialidades.

Não tenha medo de errar

No trabalho, ao lidar com alguma dificuldade, se arrisque: os erros fazem parte de todo o processo, e nosso desenvolvimento profissional ocorre quando aprendemos com as nossas falhas.

Procure ajuda profissional

Se nenhuma das dicas funcionar, não hesite em procurar um apoio psicoterápico. Com isso, você vai poder entender as causas da síndrome do impostor e identificar como encontrar o caminho certo para driblá-la.

A Síndrome do Impostor pode atingir os recém-formados e impedir que consigam ter um bom desempenho no início da vida profissional. Um pouco de insegurança é normal, contudo, se isso se torna um medo que impede você de aproveitar oportunidades, é preciso se mexer para identificar as causas e as formas de superar esse fantasma.

CADASTRE-SE PARA RECEBER INFORMAÇÕES SOBRE NOSSOS CURSOS

Informe o seu nome completo
Informe um número de celular válido
Preencha todos os campos obrigatórios