Ensino Semipresencial: guia sobre essa modalidade

COMPARTILHAR
Tempo estimado de leitura: 9 minutos

Você provavelmente já se deparou com alguém falando sobre ensino semipresencial ou híbrido. Atualmente, é possível pensar em muitas formas de se fazer um curso, seja uma graduação ou pós-graduação, já que a tecnologia e a educação evoluíram muito. 

Até algum tempo atrás, o único método disponível era o presencial. Depois surgiu a educação a distância (EAD) e, agora, o que está em evidência é o curso semipresencial. Mas você sabe como ele funciona?

Muitas pessoas ainda não entendem ao certo a dinâmica dessa metodologia e, por conta disso, podem acabar perdendo ótimas oportunidades de se qualificar. Para saber como esse sistema funciona, acompanhe o texto de hoje.

Ao longo dos próximos tópicos, vamos explicar como funciona o ensino semipresencial. Com certeza, suas principais dúvidas serão respondidas aqui. Então, não perca tempo e siga com a leitura!

Afinal, o que é o ensino semipresencial?

O ensino semipresencial é aquele que mistura a aprendizagem à distância com a tradicional, ou seja, ofertada na sala de aula física. 

A metodologia do curso semipresencial é também chamada de flex ou híbrida, pois mescla dois modelos vistos como essencialmente opostos.

A ideia aqui é fazer com que o aluno consiga aproveitar o melhor de ambas as abordagens, algo que tende a ser cada vez mais comum nas instituições de ensino — principalmente na fase “pós” pandemia do coronavírus. 

Nos últimos anos, faculdades, universidades e escolas precisaram adaptar muito dos seus processos. E, atualmente, o ensino semipresencial pode ocorrer tanto em cursos tidos essencialmente como presenciais, quanto naqueles que possuem mais características do modelo EAD. 

Afinal, o que caracteriza o conceito híbrido é o intercâmbio da aprendizagem online com aquela da sala de aula padrão.  

Também é importante citar que cursos semipresenciais, quando bem desenvolvidos, colocam o estudante como protagonista da própria educação. E isso é algo cada vez mais valorizado pelos empregadores.

Tanto é que o protagonismo estudantil tornou-se regra até para a educação básica, aparecendo nas diretrizes da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

E quando vamos para o ensino superior, essa ideia de aluno participante faz-se ainda mais necessária. Até porque é uma maneira de adquirir mais conhecimentos para colocar em prática no mercado de trabalho.

A modalidade de ensino semipresencial é ideal para quem prefere estar no controle do próprio cronograma de estudos

Como funciona o ensino semipresencial?

É considerado ensino semipresencial toda metodologia que mistura aulas online com aulas presenciais ou, ainda, aqueles em que aulas são remotas e as atividades ou provas ocorrem no presencial.

Sendo assim, vamos supor que você faça um curso no formato tradicional, no qual é preciso comparecer à faculdade todos dos dias. 

Porém, algumas das disciplinas da sua grade curricular ocorrem no modelo EAD. Isso, em termos conceituais, é considerado um curso semipresencial.

Na verdade, grande parte do ensino brasileiro da atualidade adota esse formato em maior ou menor grau. 

E para que você consiga compreender melhor o assunto, vamos focar aqui no ensino semipresencial padrão, ou seja, aquele que tem origem no modelo a distância.  

Dessa maneira, caso você opte por se matricular em uma graduação tida como semipresencial, saiba que a maior parte das suas aulas serão EAD. 

Entretanto, você também precisará comparecer a encontros presenciais — e estes podem ocorrer tanto no campus da faculdade quanto em um polo de apoio educacional.

As aulas presenciais

De modo geral, os encontros presenciais ocorrem de uma a três vezes por semana, mas tudo vai depender do curso e da instituição de ensino. O que você precisa saber é que essas aulas acontecem em um horário fixo e sua presença é obrigatória em todas elas. Da mesma forma que ocorre no curso tradicional.

Em alguns casos, as aulas contam com a presença física do professor. Em outras, ele interage com os estudantes por meio de vídeo transmissão e quem fica na sala prestando apoio direto é o tutor.

Sobre o conteúdo das aulas presenciais, o mais comum é que elas sejam voltadas para a elaboração de atividades práticas, apresentação de trabalhos, debates ou explicações de temas mais complexos

Sob essa perspectiva, o modelo híbrido adota bastante o conceito de sala de aula invertida. Ou seja, o aluno estuda o conteúdo de forma prévia, por meio do material online. 

Depois disso, ele vai para os encontros na faculdade para se aprofundar e tirar dúvidas sobre tudo o que viu.

E é essa dinâmica que coloca o estudante como protagonista do processo de aprendizagem. Afinal, o professor está ali para intermediar a construção do conhecimento, mas o esforço principal é o do aluno. 

As aulas a distância

As aulas a distância do ensino semipresencial podem ser tanto gravadas quanto ao vivo. No primeiro caso, o conteúdo fica disponível para acesso em uma plataforma virtual de aprendizagem. 

Assim, você escolhe o melhor horário para estudar, o que garante total flexibilidade.

Já as aulas online ao vivo são marcadas com antecedência. Dessa forma, é possível se programar. Nesse sistema, você interage diretamente com o professor e também com outros alunos. 

A plataforma onde esses encontros digitais ocorrem pode tanto ser a da própria faculdade, quanto outras como o Zoom e o Google Meet.

Também é importante frisar que, além dos vídeos, você pode ter acesso a outros conteúdos digitais, como apostilas, e-books, infográficos, avaliações, jogos educativos, podcasts, entre outros. Tudo vai depender da metodologia adotada pela faculdade.

Quais as diferenças entre ensino semipresencial, EAD e presencial?

Com tudo o que explicamos até o momento, é possível ter uma ideia das diferenças entre os modelos semipresencial, EAD e presencial. Entretanto, aqui vamos detalhar essa questão um pouco melhor.

Nos últimos anos, o ensino semipresencial vem se tornando uma das modalidades favoritas entre os universitários

Ensino presencial

Bem, o ensino presencial é o que mais conhecemos. Nele você se reúne com outros estudantes em uma sala de aula física e tem contato direto com o professor, que está no mesmo ambiente explicando o conteúdo. 

Diferente do ensino semipresencial ou EAD, neste modelo as aulas ocorrem em turnos fixos, com horários predeterminados.

Você precisa ir até a faculdade para estudar e deve ter uma frequência mínima, que varia de 70% a 75%. Caso deixe de ir a muitas das aulas, poderá ser reprovado por falta. Além do mais, nesse modelo, todas as avaliações, trabalhos e explicações são presenciais.

Contudo, o Ministério da Educação permite que até 20% da carga horária total do curso seja realizada no formato EAD. Sendo assim, é possível que você estude a distância em alguns casos, dependendo da organização da faculdade.

Ensino EAD

No curso EAD, todo o processo de estudo é feito de forma online. A depender da instituição de ensino, apenas algumas provas e a apresentação do TCC ocorrem de maneira presencial. Nessas situações, o aluno vai para o polo de apoio da faculdade.

Esse modelo de estudo oferece flexibilidade plena, afinal cada um escolhe o melhor horário em que deseja estudar. Isso porque todo o material fica disponível para acesso em uma plataforma.

Ensino semipresencial

O curso semipresencial, como explicamos, une um pouco do formato presencial e um pouco do EAD. Assim, regularmente, existem aulas obrigatórias na faculdade ou no polo de apoio. Todavia, uma grande parte do conteúdo do curso continua sendo a distância.

Benefícios do ensino semipresencial

O ensino semipresencial oferece várias vantagens. A primeira delas é a flexibilidade da educação EAD. Afinal, você não precisa estar na faculdade todos os dias, assim consegue encaixar os estudos na sua rotina com maior facilidade.

Fora isso, você também desenvolve maior capacidade de disciplina e mais autonomia de estudo, já que precisa se organizar para acompanhar o conteúdo digital.

Ao mesmo tempo em que aproveita a liberdade da educação a distância, você ainda mantém a “experiência de campus”. Ou seja, consegue ter contato frequente com seus colegas de turma, seu professor e com o ambiente dinâmico da faculdade.

O diploma de um curso semipresencial tem a mesma validade?

Sim! Não há nenhuma diferença entre o diploma de um curso semipresencial para aqueles de cursos presenciais, por exemplo. Ambos têm a mesma validade. 

Inclusive, no diploma não consta a informação referente à modalidade na qual o aluno finalizou a graduação.

Sobre o diploma, você apenas deve observar se o curso da faculdade que escolheu é reconhecido pelo MEC. Isso é essencial para que o documento tenha validade.

O ensino semipresencial Wyden

A Wyden oferece cursos de graduação em diferentes modalidades, incluindo presencial, EAD e também semipresencial. Quem opta pela última opção terá até dois dias de aulas ministradas no campus da faculdade. 

No restante da semana, os estudos são feitos de modo online, com toda a flexibilidade do modelo.

O mais bacana do ensino semipresencial Wyden é que, a partir do segundo período de curso, você pode escolher as disciplinas que deseja cursar de forma presencial. Isso garante maior liberdade e protagonismo para o estudante.

Sendo assim, não perca tempo e venha estudar conosco. São vários cursos semipresenciais disponíveis nas áreas de Humanas, Exatas e Biológicas.

Invista agora no seu futuro hoje mesmo. E, caso ainda tenha dúvida sobre a modalidade semipresencial Wyden ou quaisquer outros cursos, entre em contato conosco pelos canais de atendimento.

CADASTRE-SE PARA RECEBER INFORMAÇÕES SOBRE NOSSOS CURSOS

Informe o seu nome completo
Informe um número de celular válido
Preencha todos os campos obrigatórios