Entenda tudo sobre o FIES | Blog Universitário Wyden

Sobre o Fies

Se você deseja entrar em uma universidade, e realizar seu maior sonho de vida, saiba que o Fies pode ser um dos caminhos a te ajudar a chegar aonde deseja. Vamos explicar melhor o que é e como funciona este financiamento. 

O que é o Fies?

O Fies, ou Fundo de Financiamento Estudantil, dá aos estudantes do Ensino Médio a oportunidade de estudar em uma universidade através de um financiamento com juros abaixo da média do mercado. Com isso, é possível que os alunos paguem as mensalidades do curso que desejam de uma forma muito mais acessível. O financiamento foi criado em 1999, sendo o sucessor de um programa chamado Crédito Educativo. 

Já sob o nome de Fies, no ano de 2010 as regras mudaram e as taxas de juros de financiamento caíram de 6,5% para 3,4%. Outra mudança foi o fato do prazo para quitação das mensalidades se estendeu para até três vezes o tempo de duração da graduação. Mais uma mudança ocorreu em 2015, quando alguns dos critérios de concessão foram implementados, exigindo que o aluno tire, ao menos, 450 pontos gerais e não zere a redação do Enem para ser elegível ao financiamento. Em 2018, o MEC anunciou o novo Fies, sobre o qual vamos falar mais a seguir. 

Novos Fies

 

O Novo Fies chegou em 2018 e seu objetivo era dar mais flexibilidade às regras, visando aumentar o número de alunos atendidos, dando mais transparência ao programa. Os principais pilares do novo programa são: ampliação do acesso ao ensino superior, maior transparência para toda comunidade, melhoria na governança e sustentabilidade do programa. 

Este novo programa possibilita a estudantes de baixa renda que as mensalidades tenham juros zero, assim como uma escala de financiamento que varia de acordo com a renda familiar do candidato. Assim, como o aluno poderá começar a pagar as mensalidades de acordo com seu limite de renda, dessa forma os encargos a serem pagos diminuem consideravelmente.

Como funciona o Fies?

O Fies funciona através de uma inscrição que o aluno realiza. Dessa forma, ele escolhe apenas uma única opção de curso, diferente do SiSU, em que há duas opções de curso. Na hora da escolha, é possível escolher filtros de localidade, turno, instituição e curso, com isso, são mostradas vagas disponíveis de acordo com o que foi indicado e basta escolher uma delas. 

É importante ficar atento às notas de corte, já que são atualizadas todos os dias durante o período em que as inscrições estão abertas. É possível trocar o curso escolhido até o final das inscrições. A nota de corte é calculada à partir da relação entre o número de vagas do curso e a nota obtida no Enem. Por isso que as notas mínimas para ingressar variam de acordo com as escolhas de outros candidatos, e assim, o sistema vai gerando a ordem de classificação para a seleção dos candidatos, levando em consideração as notas da prova do Enem.

Como funciona o Fies durante o curso

Durante o curso, o aluno deve pagar um valor referente ao encargo operacional fixo no contrato. O custo do seguro de vida também é cobrado durante a realização do curso, através de boletos mensais.

O período de Carência e Amortização do Fies

Em 2018, ocorreu uma mudança no Fies e agora não existe mais o Período de Carência para o início do pagamento, ou seja, após a conclusão do curso, o estudante já inicia a fase de Amortização. Para quitar a dívida, o governo federal estipula um prazo de 12 anos. Agora, vamos entender melhor sobre como si inscrever no Fies.

Como se inscrever no Fies (passo a paso)

 

Agora que entendemos o que é o Fies, vamos ver um passo a passo de como si inscrever no Fies:

 
  1. Acessar o site: portalfies.mec.gov.br

    Depois de acessar, informe seus dados. Com isso, receberá um e-mail para que ocorra a validação do seu cadastro.

 
  1. Inscrição

    Assim que for pré-selecionado é preciso voltar a acessar o site, dentro de um prazo de cinco dias, para realizar sua inscrição, informando os dados do financiamento a ser contratado.

 
  1. Validação

    Esta etapa ocorre após a inscrição. Você terá até dez dias para validar suas informações para a Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA) da instituição selecionada.

 
  1. Contratação do FIES

    É válido ressaltar que até o ano de 2020, o estudante tinha até dez dias, contados a partir do terceiro dia útil de validação pela CPSA, para comparecer ao banco e contratar financiamento. Tudo isso, após a validação das informações. No entanto, agora os alunos não precisam mais ir até uma agência, com o novo cenário é possível realizar a contratação pelos bancos de modo virtual, através dos sistemas do Fies.

Depois desses 4 passos é só começar a realizar seu sonho! Mas se ainda tem algumas dúvidas, vamos te ajudar a compreender melhor cada uma delas. Então, continue a leitura para entender melhor sobre o Fies.

O que é necessário para se inscrever no Fies?

Conforme abordamos anteriormente, é preciso ter, principalmente, acesso à internet, estar atento aos prazos e aos documentos necessários para pedir o financiamento. Sobre o segundo ponto, continue a leitura para saber quais são os documentos necessários para pedir o financiamento.

Documentos necessários

Para este tópico, separamos a documentação em dois momentos, para que compreenda melhor os processos do Fies. Documentos para o banco:

  • Documento de Regularidade de Inscrição (DRI) que é emitido pela Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento do Fies (CPSA);
  • Termo de concessão ou de atualização do usufruto de bolsa parcial do ProUni, caso seja o caso do aluno;

Documentos de identificação:

  • CPF próprio, caso você seja menor de 18 anos e não for emancipado é preciso apresentar também o CPF de seu representante legal;
  • Caso seja casado, é preciso apresentar a certidão de casamento, CPF e um documento de seu cônjuge;
  • Comprovante de residência;
  • Documento do fiador, para o caso da opção por fiança convencional ou solidária.

Requisitos gerais para contratar o financiamento pelo Fies

Agora que entendemos melhor sobre o Fies, vamos ver os requisitos gerais para quem deseja contratar o financiamento:

  • Ser estudante de curso presencial de graduação não gratuito, com avaliação positiva no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES) e de uma instituição de ensino que participe do Fies;
  • Ter renda familiar mensal bruta per capita de até 3 salários mínimos;
  • Ter participado de alguma edição do Enem, a partir de 2010;
  • É preciso ter obtido, pelo menos, 450 pontos na média das provas e ter tirado nota acima de zero na redação;
  • Se você já teve seus estudos financiados pelo Fies e também quem está inadimplente com o Programa de Crédito Educativo (PEC - Creduc), não pode participar do processo seletivo.

Tipos de financiamentos oferecidos pelo Fies

Um ponto importante sobre o Fies é que existem dois tipos de financiamento, conhecidos como
Fies e P-Fies: A divisão em duas modalidades surgiu em 2018 com o objetivo de
trazer algumas diferenças entre os financiamentos e suas nomenclaturas. A principal diferença é que o P-Fies
permite que o aluno estabeleça o contrato com bancos privados para além dos que são permitidos antes do Novo
Fies. Os bancos permitidos são: Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal.

  1. Modalidade I (Fies)

    Modalidade é para os estudantes que possuem renda per capita mensal familiar de até três salários mínimos. Se você se enquadrar nesta modalidade, terá 50% de financiamento, podendo chegar a 100%, de acordo com o perfil do aluno. Para esta modalidade do Fies são abertas 100 mil vagas, sem cobrar juros.

  1. Modalidade II (P-Fies)

    É para quem está nas regiões do Nordeste, Norte e Centro-Oeste, com renda per capita mensal familiar de até cinco salários mínimos. Para a modalidade II são abertas 150 mil vagas, e a taxa de juros é flexível, conforme a instituição de ensino.

  1. Modalidade III (P-Fies)

    A modalidade III do P-Fies é para os brasileiros com renda mensal familiar de até cinco salários mínimos. São abertas 60 mil vagas, com taxas de juro flexíveis, de acordo com a instituição de ensino escolhida.

Agora que entendemos melhor sobre os percentuais de financiamento oferecidos pelo Fies. Siga a leitura para saber mais!

Percentual mínimo de financiamento pelo Fies

Este percentual sinaliza que o financiamento mínimo permitido é 50% dos valores cobrados pela universidade.

Percentual máximo de financiamento pelo Fies

O percentual máximo irá indicar as possibilidades de financiamento disponíveis para o aluno.

Faça o cálculo do financiamento pelo Fies

Entendemos até agora um pouco mais sobre o que é o Fies, as modalidades e seus percentuais de financiamento, então agora vamos te ajudar a fazer o cálculo do financiamento, para te ajudar a se organizar financeiramente. O primeiro passo para fazermos o cálculo é saber o total da sua renda mensal bruta para cada pessoa da casa, depois pense qual será sua garantia de compromisso com a parcela mensal que será estabelecida no contrato do SisFies. Ou seja, pense se será capaz de pagar as parcelas. 

Agora, o cálculo que deve ser feito é: dividir por 6 o valor da semestralidade, já com desconto, dessa forma, é possível obter o valor da mensalidade com desconto. Depois disso, divida o valor da mensalidade, já com desconto, pela sua renda familiar mensal per capita e multiplique o resultado por 100. Dessa forma, você obtém o percentual de comprometimento. Vamos a um exemplo mais prático para ficar mais fácil de entender.

  • Semestralidade com desconto: R$ 4.800
  • Mensalidade com desconto: R$ 800 = R$ 4.800 ÷ 6
  • Renda familiar mensal bruta per capita: R$ 1.200
  • Percentual de comprometimento: 66% = R$ 800 ÷ R$ 1.200 ∗ 100

Quem pode participar do Fies?

Se você deseja se beneficiar do Fies, saiba que os pré-requisitos para se inscrever no financiamento são: candidatos que tenham realizado a prova do Enem a partir de 2010 e obtido uma pontuação mínima de 450 pontos na soma das provas objetivas, além de também não ter zerado na redação.

Quem não pode participar do Fies ?

Quem não pode participar do Fies são candidatos que:  

  • A matrícula acadêmica esteja em situação de trancamento geral de disciplinas;
  • Que já tenham se beneficiado pelo Fies;
  • Que sejam responsáveis por inadimplência junto ao Programa de Crédito Educativo (PCE/CREDUC);
  • Sejam beneficiários de bolsa integral do Programa Universidade para Todos;
  • Sejam beneficiários de bolsa parcial do ProUni, em curso/habillitação e turno diferente do que está vinculado à bolsa ProUni;
  • E alunos cuja renda bruta seja inferior ao valor da mensalidade do curso financiado. É válido ressaltar que esta restrição não se aplica a quem é bolsista parcial de 50% do ProUni e aos bolsistas parciais de 25%, já que são grupos que não passam por um processo seletivo para ter o Fies.

Cronograma do Fies

Inscrições: 4 a 7 de julho

Resultado da classificação e da pré-seleção: 11 de julho

Complementação de informações: 12 a 14 de julho

Pré-seleção da lista da lista de espera: 18 de julho a 29 de agosto

Como é o processo seletivo do Fies?

O processo seletivo do Fies é feito a partir da nota obtida no Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem. Dessa forma, a concorrência acontece entre os candidatos que optaram pelo mesmo curso, a mesma faculdade, o campus e ou mesmo turno. Dessa forma, quanto maior a nota do Enem, maiores são as chances dos candidatos conseguirem uma vaga no programa de financiamento.

O que é CPSA?

CPSA é uma sigla para Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento, uma repartição que está presente em todas as instituições de ensino superior que fazem parcerias com o Fundo de Financiamento Estudantil. A CPSA tem como objetivo tratar de assuntos relacionados ao Fies: desde a inscrição até o processo de aditamento. A Comissão é composta por dois representantes de cada esfera da universidade, como: discentes, docentes e pessoas do setor administrativo.

Na prática, a CPSA atuante na inscrição recolhe os documentos dos candidatos e valida as informações que são prestadas. No procedimento de renovação dos contratos, a Comissão trabalha dando início neste processo, e no chamado aditamento do Fies, como também se mantém disponível para tirar dúvidas dos candidatos e orientá-los sobre tudo o que envolve o Fies e o P-Fies.

Como é calculada a nota de corte do Fies?

A nota de corte é a nota final que fica estabelecida depois que se encerra o período das inscrições no Fies. Cada curso tem sua nota de corte, ela é calculada de acordo com três critérios:

 

1 - Número de vagas disponíveis

Para determinada combinação entre: curso, faculdade, turno e campus.

2 - Número de candidatos

Para a vaga.

3 - Notas do Enem

Dos candidatos que estão concorrendo à vaga.

É válido ressaltar que a nota de corte será sempre igual ou superior a 450. Sendo esta a pontuação mínima no Enem e que é exigida para participar do processo seletivo do Fies.

Como ver a nota de corte do FIES

A nota de corte do Fies só é vista no último dia de inscrição. No entanto, é possível ver uma média da nota de corte do ano passado, para termos uma base de qual nota é preciso alcançar. Vamos dar um panorama de alguns cursos:

  • Administração: de 150 a 685 pontos;
  • Arquitetura e Urbanismo: de 478 a 640 pontos;
  • Biomedicina: de 457 a 685 pontos;
  • Ciências Contábeis: 450 a 687 pontos;
  • Direito:460 a 765 pontos;
  • Enfermagem: 455 a 670 pontos;
  • Engenharia Civil: 450 a 734 pontos;
  • Farmácia: 452 a 700 pontos;
  • Fisioterapia: 460 a 711 pontos;
  • Gestão Comercial: 455 a 605 pontos;
  • Jornalismo: 452 a 725 pontos;
  • Letras: 459 a 677 pontos;
  • Nutrição: 450 a 700 pontos;
  • Gestão comercial: 455 e 605 pontos;
  • Odontologia: 532 a 760 pontos;
  • Psicologia: 450 a 705 pontos;
  • Publicidade e Propaganda: 450 a 697 pontos.

Como é feita a classificação dos candidatos do Fies?

 

No Fies, os candidatos são classificados de acordo com o grupo de preferência, para o qual se inscreveram, atendendo a prioridade indicada na hora da inscrição: curso/turno/local, em ordem decrescente e de acordo com as notas do Enem, respeitando a sequência:

 
  1. Candidatos que não tenham concluído o ensino superior, mas já tenham se beneficiado do financiamento estudantil e o tenha quitado;
  2. Candidatos que já tenham concluído o ensino superior e não tenham sido beneficiados pelo financiamento estudantil e o tenham quitado;
  3. Candidatos que já tenham concluído o ensino superior e não tenham se beneficiado pelo financiamento estudantil;
  4. Candidatos que já tenham concluído o ensino superior e tenham sido beneficiados pelo financiamento estudantil e o tenham quitado.

Critérios de desempate

No Fies, os critérios de desempate são parecidos com o do SiSU, através da nota do Enem. No entanto, o primeiro critério para desempate é a redação, caso tenham dois ou mais candidatos com a mesma média de nota, no resultado final. Caso o empate ainda persista, o próximo critério é analisar as provas de Linguagens, Matemática, Ciências da Natureza e Humanas, como forma de garantir o desempate.

Como funciona a lista de espera do Fies?

Após a divulgação dos resultados do Fies, a lista de espera se forma e, assim, como qualquer etapa, essa lista é formada de forma automática. Isto é, não é preciso realizar nenhum tipo de inscrição. As vagas na lista de espera são liberadas para aqueles que ficaram nas primeiras colocações e, caso haja desistência, uma vaga é liberada e o próximo candidato é chamado. Dessa forma, a lista de espera vai rodando até fechar as vagas disponíveis.

Como ver o resultado do Fies?

Primeiro é preciso ficar de olho nas datas de divulgação. Depois basta acessar o site oficial do programa em que mostra os resultados: https://fiesselecaoaluno.mec.gov.br/usuario-login . Caso tenha conseguido o financiamento, é preciso seguir as etapas de cadastro, enviar a documentação exigida e abrir o financiamento no banco. Se não conseguir, não tem problema. Basta esperar a lista de espera começar a rodar até sua chance chegar!

Passo a passo para saber seu resultado do Fies

  1. Acesse o site: https://fiesselecaoaluno.mec.gov.br/usuario-login
  2. Usar o login e senha do gov.br
  3. Caso não tenha feito o cadastro do governo, basta fazê-lo;
  4. Por fim, você será direcionado para a seguinte página:
    Redirecionamento - resultado Fies
  5. Clicando em resultado, você saberá o resultado do seu Fies;
  6. Se não tiver preenchido as informações como "dados cadastrais" e "questionário" é preciso fazê-lo, antes de ver o resultado.

Pagamento do Fies

Agora que entendemos melhor sobre o Fies, vamos abordar a questão do pagamento, já que pode gerar algumas dúvidas. É importante saber que como é um financiamento, o pagamento ocorre após a conclusão da faculdade escolhida.

Como funciona o pagamento do Fies

O pagamento do Fies funciona das seguintes formas: no primeiro mês após a conclusão da faculdade, começa a correr o pagamento do saldo devedor do Fies. Caso você esteja empregado formalmente, como CLT ou servidor público, será descontado o pagamento do Fies diretamente do seu salário, antes de cair em sua conta bancária. É importante saber que o valor da parcela é restrito a 10% da sua renda mensal, no máximo, por exemplo, se o seu salário é de R$ 3.000,00, o valor descontado, pelo Fies, pode ser até de R$ 300. Neste caso, então, não é preciso esperar por um boleto do Fies, porque tudo é feito de forma automática. 

Porém, se a sua situação após concluir o curso é de não ter renda, você deve quitar a prestações mensais no valor mínimo. Segundo o regulamento do CG-Fies, o valor é o mesmo valor da taxa de co-participação que você pagou durante a faculdade. Agora, se você é empreendedor que não está empregado formalmente, no entanto possui uma empresa aberta em seu nome, saiba que as parcelas do Fies serão cobradas sobre o rendimento da sua empresa, através do eSocial.

Quem pode ser fiador

Outro ponto importante sobre o Fies é que para liberar o financiamento, os bancos exigem uma garantia de que irão receber o dinheiro de volta. Essa garantia é conhecida como fiador. Para isso, existem dois tipos de fiança: a convencional e a solidária. Vamos entender melhor sobre cada uma delas a seguir:

 
  1. Fiador convencional

    É aquele em que a fiança é assegurada por até duas pessoas, que comprovem renda igual ou superior ao dobro do valor da mensalidade do curso financiado;

 
  1. Fiador solidário

    É o tipo de fiança feita por um grupo de 3 a 5 estudantes que se unem para atuar como fiadores uns dos outros. Nesta modalidade não é preciso comprovar renda. Para a formação do grupo é preciso que os participantes estejam matriculados na mesma faculdade e no mesmo local onde o curso é oferecido. No entanto, não podem pertencer à mesma família, serem irmãos, por exemplo ou já participar de algum outro grupo de fiança solidária.

          É importante citar que os bancos não aceitam como fiador os seguintes grupos:

 
  • Cônjuge ou companheiro(a) do estudante;
  • Alunos que têm financiamento aberto no Programa de Crédito Educativo (PEC/Creduc);
  • Estrangeiros (exceto cidadãos portugueses que atendam a determinados critérios legais);
  • Estudantes que já tenham ou tiveram financiamento do Fies.

Se você já tem o seu fiador, saiba que para efetivar seu financiamento, o seu fiador precisa ir ao banco com os seguintes documentos:

 
  • Documento de identificação oficial, com uma foto recente;
  • CPF;
  • Certidão de casamento, se for necessário;
  • CPF e documento de identificação do cônjuge, se for o caso;
  • Comprovante de residência;
  • Comprovante de rendimento, menos se for fiança solidária.

Boleto Fies

Conforme dissemos, o pagamento do Fies só começa após o término do curso. No entanto, durante os estudos o aluno precisa pagar um boleto referente às taxas administrativas e um seguro de vida

Após 3 dias úteis de posse de um documento específico recebido na CPSA, é preciso ir ao banco com o fiador para assinar o contrato e junto disso serão cobradas algumas relativas ao seguro de vida obrigatório: seguro prestamista que cobre os custos do financiamento, caso o estudante venha a ser considerado inválido por causa de uma doença, acidente ou faleça. 

Também existem os juros para estudantes com renda familiar per capita de até 3 salários mínimos. Nessas taxas têm o expediente bancário que são taxas cobradas pelo banco para fazer o financiamento. Depois de tudo certo, os boletos começarão a chegar e o vencimento do boleto demora 30 a 60 dias. Para entender melhor, vamos dar alguns exemplos:

  • Caso o contrato tenha sido assinado até dia 15 de janeiro, o vencimento será no dia 15 do próximo mês, ou seja, fevereiro;
  • No entanto, se o contrato for assinado entre os dias 16 e 30 de janeiro, a primeira parcela deverá ser paga no dia 15 de março.

Na hora de pagar o boleto, se for escolhida a Caixa Econômica Federal, será preciso abrir uma conta na agência, podendo receber o boleto de forma online e pagar pelo aplicativo. Caso ocorra atraso no pagamento, é possível solicitar a segunda via no site da instituição bancária escolhida. Se for de sua preferência, o estudante também pode pagar o boleto em casas lotéricas, caixas de autoatendimento, nas agências ou também nos Correios e em unidades do Banco Postal.

Aditamento no Fies

O Aditamento do Fies é um processo de renovação de contrato que acontece semestralmente. Os estudantes que fazem parte do programa devem realizar o aditamento como forma de garantir a continuidade do financiamento. Para realizá-lo, basta esperar a CPSA (Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento) solicitar a renovação e depois, entrar no portal SisFies para confirmar. É de responsabilidade do aluno conferir todas as informações e valores lançados no sistema

Além disso, se não for realizado o aditamento ou se cometer falhas durante a execução, existe a chance de perder o benefício. Outro ponto importante é que existem duas modalidades de aditamento realizadas pelo Fies: o aditamento simplificado, que é quando não tem nenhuma alteração nas cláusulas do contrato do financiamento. E o aditamento não simplificado é quando tem alguma alteração no contrato.

Em quanto tempo se paga o Fies?

Se você assinou o contrato até 2017, saiba que o período de carência é de 18 meses para o pagamento do Fies, após a conclusão do curso. Para quem firmou os contratos firmados de 2018, você pode começar a pagar depois da formatura, literalmente no mês seguinte à conclusão do curso, atráves do débito no salário ou emissão de boletos, respeitando o pagamento mínimo, conforme abordamos anteriormente.

Próximos passos após conseguir o financiamento do Fies

Depois de aprovado no Fies, fique de olho nas datas mais importantes para que você possa fazer a inscrição do Fies Seleção. Depois compareça no CPSA para validar as informações. Com isso, realize os passos que indicamos anteriormente, como ir ao banco para pedir o financiamento com a documentação exigida. Não se esquecendo de fazer a inscrição no curso que deseja e comece a realizar seu sonho, lembrando-se das taxas mensais que são cobradas em boleto bancário.

Diferença do Prouni, Sisu e Fies

 

De uma forma simples:

1

O Sisu

É uma porta de entrada para universidades públicas, a partir de inscrições no site oficial;

2

O Fies

É um financiamento para as mensalidades de faculdades particulares;  

3

O Prouni

Oferece bolsas integrais ou parciais em faculdades particulares.  

Fies com a Wyden

Aqui na Wyden, nossos alunos têm a chance de realizar seu sonho de graduação, podendo utilizar o Fies para estudar em nossas unidades, com juros que cabem no seu bolso e carência para o pagamento. Além do Fies, existem outras possibilidades de ingresso.

Enem Action

Depende, se o nome sujo estiver junto ao Programa de Crédito Educativo (PCE/CREDUC) do Governo Federal não é possível si inscrever no financiamento. Caso essa seja sua situação, é preciso saldar as dívidas antes de solicitar o benefício.

Para financiar a faculdade pelo Fies é preciso ter uma renda familiar por pessoa, de até 1,5 salários mínimo, e não é necessário ter um fiador. A taxa de juros será zero para todos os estudantes.

Existem algumas condições para conseguir o FIES para Medicina, são elas:

  • Ter renda mensal bruta de até três salários mínimos por pessoa;
  • Ter participado do Exame Nacional do Ensino Médio e ter obtido uma média de 450 pontos em todas provas e não ter zerado na redação;
  • As mensalidades não podem ultrapassar o teto do FIES.

Se você não pagar o FIES o que acontece é seu nome ir para o Serasa, não impedindo que você pegue o seu diploma. Só que uma vez que seu nome está negativado, você acabará tendo algumas dificuldades como obter crédito, pedir cartão de crédito, entre outras coisas. Diante disso, é possível pedir uma renegociação da dívida para o FIES, só que para isso é preciso seguir alguns critérios:

  • Ter contrato até dia 14 de 2010;
  • As parcelas devem ter um valor acima de R$100,00;
  • O pedido de renegociação deve ser feito no período de amortização.

Uma novidade do ano de 2021 foi que uma mudança em uma MP para renegociação de dívidas do FIES, facilitou ainda mais a quitação. Agora, é possível que 92% da dívida do Fies seja perdoada, caso o estudante esteja com mais de um ano de atraso ou cadastrado no Cadastro Único de Programas Sociais (CadÚnico) ou conseguiram o auxílio emergencial. Para os demais, o desconto é de 86,5%.

Vamos a um passo a passo de como saber o valor da sua dívida no FIES:

  • Acesse o site do Serasa;
  • Clique em “Soluções”;
  • Depois, role a página até chegar ao menu “Meus dados”, depois clique em “Acessar cadastro positivo";
  • Uma guia será aberta e o menu “Informações Positivas” contém todas as instituições financeiras que possuem dívidas ativas. Incluindo o banco que você financiou o FIES. No banco, você clica na “setinha” e ela expande a tela;
  • Nesta tela terá todas as informações do seu contrato, quantidade de parcelas pagas e quantas faltam para pagar, além do valor total do saldo devedor.

Em 2021, uma nova MP foi proposta como forma de ajudar estudantes a quitarem a dívida do Fies com desconto. O principal critério estarem há mais de 90 dias com débitos pendentes. Com isso, têm os seguintes descontos:

  • 12% de desconto da dívida, além da isenção de juros e multas, caso opte por um pagamento a vista;
  • isenção de juros e multas para pagamentos em até 150 meses.

Se tiver passado de mais de 360 dias, os descontos são:

  • 86,5% no valor principal;
  • 92% para estudantes de baixa renda.

Nesses casos, o desconto vale apenas para pagamento à vista e em 10 parcelas mensais sucessivas, com reajuste Selic. A medida de dar descontos no valor da dívida, além de abatimento em juros e multa. Também inclui os estudantes do curso de Medicina.

CADASTRE-SE PARA RECEBER INFORMAÇÕES SOBRE NOSSOS CURSOS

Informe o seu nome completo
Informe um número de celular válido
Preencha todos os campos obrigatórios
7 min de leitura

Rotina de estudos para o Enem: como se organizar

3 min de leitura

Qual a nota mínima do Enem para entrar na faculdade?

4 min de leitura

Os Benefícios que a nota do Enem proporciona ao estudante